quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Dor de dente

O amor
é como uma
dor de dente,
amor,
doendo e
gritando constantemente.
Como se no peito
como se no dente
fizera-se o buraco
que nos recorda
sempre
que morder
do lado errado
é dar-se
por louco
é ver-se
qual morto
prenunciado,
aflito e doente
de dor
das mais pungentes:
perceber,
ao fim e ao cabo,
que não há
remédio
pro que já foi
quebrado.














terça-feira, 8 de abril de 2014

Mar íntimo

Mar íntimo:
perseguir-te
com olhos 
marejados,
como 
às ancas 
de Calixto.
Marítimo:
nadar e morrer
na praia,
aflito.
Sedento,
rogar
contemplando
teus 
impenetráveis 
abismos.

domingo, 16 de março de 2014

Harpia

Ela vinha,
como todos
os dias vinha,
os pés soturnos
e os olhos noturnos,
ao meio-dia.
Vinha qual 
harpia
a romper-me
o dorso 
a boca
a língua
sem deixar
de arrebatar-me, 
ainda,
a escassa,
incauta
e quase finda
poesia.

segunda-feira, 10 de março de 2014

O transeunte

                  De toda
                   pedra 
                    pé
                 e caminho
                   ando
                   farto
                  de andar
                  sozinho.

sábado, 1 de março de 2014

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Celeste

Estas estrias brancas
que rasgam o azul
profundo
do céu
me rasgam bem fundo
numa lembrança
cruel.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Nós

                             Não ficou
                     pedra sobre pedra;
                          o corpo dela
                             sobre ele,
                          o corpo dele
                             sobre ela.
                              Nús eram
                              como nós
                               de rede 
                              em peixe 
                         que se enreda.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Matadeira

Cai como a pedra 
que se dispersa 
na corredeira,
a saudade espessa 
e matadeira;
Cai como a fruta 
que ainda que azeda
a gente insiste
em morder.


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Agouro

Maldiz  
seu pedaço
fértil de terra, 
sua carne aberta,
a pobre mãe 
que já não quer
parir;
Maldiz depois
as ingratas crias 
que lhe ferem
os duros lábios
e os olhos arcaicos
neste sempre
partir.
Maldiz ainda
os homens 
que só lhe esperaram
desabrochar o ventre 
e secar o seio
pra depois sumir.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Recado

                                   Caem mais
                                de sete luas
                                   desde que 
                                       me vi
                                      voltar.
                                      Correm
                                       ainda
                                    nas ruas
                                  os cabelos
                                  que deixei
                                 cair por lá?